[vc_row][vc_column][vc_column_text]

A maioria das mulheres sabe da importância da realização e acompanhamento médico ao longo da gestação. O que nem todas lembram, no entanto, é da importância dos cuidados com a saúde bucal nesse período.
Estudos mostram que a doença periodontal pode aumentar o risco para o parto prematuro (antes das 37 semanas) e o nascimento do bebê com baixo peso (abaixo de 2.500 gramas). E é por isso que vale ter atenção também nesse aspecto.
A antecipação do parto ou nascimento de baixo peso do bebê acontecem em razão da presença de células inflamatórias no organismo da mãe provenientes da doença periodontal, as quais podem elevar as concentrações de prostaglandina (substância responsável pelas contrações na hora do parto).
Com o aumento dos níveis hormonais na gestação, é comum ocorrer alterações no tecido gengival, aumentando a incidência da gengivite e de carie. Além da escovação regular dos dentes após as refeições e uso do fio dental, uma forma de prevenir o incômodo são as visitas periódicas ao dentista.
“Antes de planejar a gestação, é importante que a mulher marque uma visita ao dentista para check-up da saúde bucal. Caso seja necessário, são indicadas as profilaxias (limpezas) para retirada do cálculo dental (tártaro)”, recomenda a odontopediatra e professora Sandra Kalil, parceira da FGM – empresa brasileira que produz soluções odontológicas.
Os enjoos matinais, comuns nos primeiros meses da gestação, também podem ser um perigo para os dentes, porque fazem com que algumas mulheres deixem de escová-los. As futuras mamães dizem que a higienização com a pasta de dente piora o enjoo, agravando a ânsia de vômito. “Esse é mais um erro que deve ser evitado. Ao negligenciar a escovação, abre-se o caminho para uma série de problemas dentais”, lembra a Dra Sandra. Segundo a odontopediatra, recomenda-se mudar de pasta, mas nunca deixar de fazer a limpeza dos dentes.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]